Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Como muitos portugueses, ontem, também acompanhei os Globos de Ouro.

Entre muitas coisas que se podem comentar como os vestidos, os penteados, as gaffes, a humildade (ou, segundo alguns, a falta dela) de Cristina Ferreira, a homenagem à Bárbara Guimarães ou o reconhecimento da Maria Céu Guerra, eu prefiro falar da falta de respeito da Ana Leal...

Mesmo que ela (e muitos) achasse óbvio que o Globo fosse para a Conceição Lino, ficou-lhe muito mal o desabafo, chegando mesmo a ser deselegante… Foi feio e esperava mais desta profissional.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

lobo_em_pele_de_cordeiro.jpg

Corrupção e conflito de interesses nos cargos governamentais há em todos os países, quer sejam desenvolvidos ou nos, chamados, países do 3º mundo.

O que vai distinguindo estes países é a forma como se reage perante estas situações.

Posto isto, para mim, é inconcebível que secretário de Estado da Proteção Civil não se demita ou que não existam pressões para que deixe o cargo.

Por mais “desculpas”, todos sabemos que a empresa escolhida só é parceira do governo porque um dos sócios é filhote de quem é. Não vale a pena mandar areia para os olhos.

Mesmo que não existisse interesse particular na escolha da empresa, a lei não permite que familiares diretos de um titular de um cargo político preste bens ou serviços ao Estado. Ponto.

Existem em Portugal milhares de empresas, seria capaz de servir o Estado? De nos servir? Impossível!

 

Estando em Portugal, especialmente, na Europa recuso-me a fazer parte de um sistema que esconde o obvio e age como os países que não queremos ser.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O meu regresso

21.05.19

Esta é a minha última semana de licença de maternidade, volto ao trabalho na próxima segunda-feira.

E que feliz que estou!

Não quero ser mal interpretada. Adoro a minha filha, adoro estar com ela! Mas anseio por voltar à minha rotina, ao meu trabalho, por estar com pessoas, falar de outras coisas, sentir-me útil, ser a Ana.

Não escondo que o ideal seria levar a Joana comigo, mas não sendo possível, prefiro voltar ao trabalho, a estar mais meses em casa.

Um amigo perguntou-me: "Mas estás com saudades do trabalho ou farta de estar em casa?". Estou com saudades, muitas.

Sei que estou mortinha para voltar e que os meus colegas também estão desejosos do meu regresso.

Empresa, aí vou eu! ;)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Todos

14.05.19

104143182.jpg

 

Faz este mês 12 anos que perdi um grande amigo. Faz este mês 12 anos que o R. perdeu "o" amigo.

O R. e o T. sempre foram amigos, desde pequenos. Daqueles que conhecemos na primária e ficam para a vida, daqueles a quem abrimos a porta da nossa casa e já são de casa, daqueles com quem brigamos por ser do clube errado mas com quem assistimos a jogos, daqueles que não há distância, escolhas ou "vidas" que os afastem. 

Eu conheci o T. com 12 anos. Foi fácil gostar dele, foi fácil sermos amigos, sermos grandes amigos, sermos os melhores amigos. 

 

Quando perdemos o T., tínhamos (os três) 23 anos.

Nunca pensei na morte do T. até ela acontecer. Ainda não a superei, lembro-me muito dele e gosto de falar nele. E isto não acontece apenas nos dias maus, antes pelo contrário! Acontece, principalmente, nos dias bons, quando estou feliz, quando tenho coisas boas para partilhar... Não tenho quaisquer dúvidas que seria o T. o padrinho da nossa Joana...

Só agora, 12 anos depois, o R. consegue falar no T.. O R. já falou mais no T. nestes últimos meses, que durante a ultima década. Sei que lhe dói e que só agora começa a ter força para se exprimir. 

A mim, sabe-me bem. Falar no T. traz-me conforto... não sei explicar. Dói, mas alivia a dor.

Gosto de falar dele, gosto de relembrá-lo.

 

Acredito, verdadeiramente, que o T. teve uma missão e cumpriu-a na perfeição.

Vivemos numa aldeia e todos nos conhecemos. Na altura em que o T. faleceu, a nossa geração tinha deixado a aldeia para segundo plano: estudava-se fora, faziam-se novas amizades, experimentava-se coisas diferentes, estávamos afastados.

Com a morte do T., tudo mudou. Voltámos a juntar-nos, a partilharmos as nossas vidas, a sermos o porto de abrigo uns dos outros, a sermos os amigos de sempre.

 

Já se passaram 12 anos e a presença do T. continuam entre nós, especialmente, quando nos juntamos todos à volta de uma mesa, quando partilhamos expectativas e gargalhadas ou temos a certeza que estamos juntos. Todos! 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

A Joana nasce amanhã.

 

Faço 40 semanas no dia 19/1, mas como está a perder percentil e eu continuo fresca e fofa, a médica aconselhou a indução do parto.

Não estou assustada nem ansiosa.

Passei uma gravidez santa, sem saber o que é uma indisposição, um mau estar ou uma dor. Engordei 8 Kg e não me privei de nada. Não inchei ou fiquei com esterias. Durmo bem, apenas acordo durante a noite para ir à casa de banho. Trabalhei até aos 8 meses (e olhem que passei pelos piores 3 meses de toda a minha vida profissional durante a gravidez) e, para bem do meu marido, as hormonas até andaram harmoniosas.

Não tenho fantasmas e não me deixo envolver pelas conversas que me fazem. Confio na equipa que me acompanha e como sou altamente ignorante no tema da maternidade muita coisa me passa ao lado, principalmente, os fanatismos (pode ser bom, pode ser mau, mas não me stressa).

Não me posso queixar. Nada.

Costumo dizer que, se não fosse a barriga e as mamas a crescer, não dava por nada. Às vezes tenho receio de me "gabar" desta forma, tenho medo de ter tido uma gravidez tão calma para sofrer horrores no parto... Mas se todas as outras mães conseguem, eu também consigo!

A ideia da Joana não ser "perfeita" apenas me passou pela cabeça, ontem. Assumi que será uma bebé saudável/ vigorosa e só, ontem, este pensamento me passou pela cabeça... É assustador! É horrivelmente assustador!

Mas depois penso que esta forma negativa de pensar nunca me caracterizou e, por isso mesmo, tenho sido feliz...  Por isso, tudo correrá bem.

A Joana será perfeita e perfeitamente feliz!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Estas eleições, no Brasil, fazem-me muito lembrar as últimas eleições nos Estados Unidos, principalmente porque a grande massa que deu a vitória aos actuais presidentes é a grande massa atacada por eles, ou seja, as mulheres, os índios, os mais pobres, as minorias, ... O nível de inteligência dos brasileiros está ao mesmo nível da dos americanos. Disso não há dúvidas.

Os brasileiros conseguiram levar ao duelo final duas péssimas opções, mas no fim, conseguiram escolher a pior.

Lamentavelmente, a corrupção é uma verdade brasileira e vai continuar a ser, porque o Bolsonaro será igual. Mas a juntar a essa corrupção inata há tanta outras coisas a acrescentar, "coisas" que mexem com a essência de cada um de nós, com a liberdade e com o respeito.

Não há corrupção tão grave e assustadora para uma sociedade como estas frases ditas e sentidas pelo actual presidente do Brasil e que serão a sua bandeira nos próximos anos.

Boa sorte, Brasil!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:20

 

O rádio aqui, no trabalho, está sempre sintonizado na Comercial. O que me aflige um pouquito, porque passo 7h a ouvir sempre a mesma música. Ou pior, sempre os mesmos cantores... Principalmente, os que não gosto nadinha, nadinha, nadinha... 

O Diogo Piçarra tem uma musica (que por acaso está a passar agora) com o refrão "Às vezes só queria desaparecer", eh pá! então que se faça à vida! já não aguento ouvir aquelas músicas lamechas e/ou dramáticas. 

Já agora que leve a Carolina Deslandes e o Fernando Daniel, sff.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


A maternidade

05.09.18

Esta semana, li, no Facebook, mais um daqueles post de uma mãe que é só isso mesmo: uma mãe.

Não suporto esses textos. Nunca os aceitei bem e agora, que estou grávida, ainda os suporto menos.

Não aceito, não quero e recuso-me a anular-me só porque na minha vida há mais um ser, que obviamente, vou amar incondicionalmente.

Dará trabalho, claro que sim! Tenho consciência que não será fácil, que irei lutar contra depressões pós-parto, contra mim e contra o mundo, mas recuso-me a ser a mulher retratada neste post.

Serei mãe da Joana, mas continuarei a ser a mulher, a amiga, a filha, a trabalhadora, a Ana.

Não me orgulharei de me desprezar.

Haverá tempo para tudo, até para mim.

E nada, neste texto que escrevi, em torna pior mãe, menos capaz de amar ou negligente que qualquer outra que se orgulha de não existir ou de sofrer por ser mãe.

 

Eis o post:

 

Para a mãe cansada

Às vezes, parece que ninguém nota os esforços diários de uma batalha materna. Ninguém nota as madrugadas insones, os choros contidos, os banhos não tomados, o almoço quente e saboroso que se transformou em um pão com manteiga e um café gelado. Ninguém nota quando a mãe está trabalhando no limite da exaustão. Seja limpando, educando ou emprestando um imenso pedaço de si para manter aquele pequeno em perfeitas condições.
Por trás de um filho feliz, existe uma mãe com um coque no cabelo, roupa amassada e cansada. Por trás de um filho feliz, existe um trabalho pesado que ninguém (ou quase ninguém) ousa se importar.
A maternidade é uma profunda, dolorosa e imensa doação de si mesmo.
A maternidade é uma jornada para valentes, lugar de gente corajosa que se aventura na batalha de criar um ser humano independente: dando limites, emprestando as suas noites de sono, multiplicando as forças e amando-os para sempre, mesmo quando eles nos levam a loucura.
A maternidade é essa insana e profunda doação do nosso próprio coração. E mesmo quando ninguém nota, lá está ela - a mãe, doando o seu corpo, multiplicando o seu amor, dividindo os seus sorrisos e vivendo na mais completa e feliz exaustão. Porque toda mãe sabe que a melhor recompensa, para tanto cansaço, já está em suas mãos!
Eu estou cansada, acredite! Mas jamais cansada de ser mãe.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:58


Coincidências

25.01.18

 

Há coisas mesmo giras.

Faço este post, onde digo que preciso de mais, que preciso de estar ocupada de alguma forma e sou convidada para voltar a fazer parte da Comissão de Festas da terra.

As Comissões têm a duração de 3 anos, porém esta ultima desmembrou-se no último ano.

Não sei muito bem o que se passou, porque as festas foram boas, com bons artistas, não houve acidentes, as contas foram pagas e ainda deram lucro, mas o que é certo é que este ano não levaram o compromisso até ao fim.

Como "Não haver festas" é um tema completamente proibido, lá se juntaram uns quantos e começaram a convidar pessoal de antigas comissões. Assim, lá vou eu.

É apenas um ano, porque não há comissão. Este é o nosso compromisso.

Tem tudo para dar certo: somos um grupo de amigos, já sabemos como as coisas funcionam, já temos os nossos contactos, é apenas por um ano (tira-nos muita pressão). Tem tudo para correr bem!

Estou entusiasmadíssima!!! 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:31

 

Hoje, ligaram-me da Deco.

A senhora foi do mais simpático que podia haver, profissional, mas informal, dedicada, mas sem ser maçuda.

Eu retribui e soube, desde o inicio, que não estava interessada no produto.

Por respeito, deixei-a apresentar toda uma colecção de vantagens e acabamos à conversa.

Quando dei por mim, tinham passado quase 30 minutos e parecia-me que estava a falar com uma amiga... Inteligente a moça!

No fim, quando me diz "Então, vamos lá preencher os seus dados para ser nossa associada...", não tive coragem de dizer-lhe "Esqueça! Não quero!".

Burra! "Ah e tal, vou pensar e ligue-me amanhã...". Burra!

Achei que a conversa foi tão agradável e que, inconscientemente, lhe fui alimentando a esperança de aceitar o que vendia, que não tive coragem.

Amanhã, lá vou ter de pôr um ponto final nisto... Mais valia ter sido logo... Burra!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D



Favoritos